12 curiosidades e tudo o que você precisa saber sobre as estrelas

Quando olhamos as estrelas e constelações no céu parece que estamos admirando um quadro. Geralmente não paramos nem para pensar em como é que estão organizados aqueles seres brilhantes e temos uma visão completamente distorcida da realidade – pois é a visão lógica que temos dos objetos aqui na Terra. Essa matéria traz várias curiosidades sobre os astros mas pode relaxar que ela não é chata, não! Rs

Continue com a gente e entenda mais sobre o universo que você vive. Depois é só sentar no sofá com uma pipoca e esperar os ETs chegarem...rs

Como são formadas 

Parecem ser formadas de luzinhas, mas não são..rs

Basicamente e de forma resumida as estrelas são compostas por hidrogênio e hélio (com traços de alguns outros elementos) e derivam de explosões  de supernovas (estrela maciça que em determinado estágio da sua evolução explode gerando grande impacto / “auê” rs) que acontecem nas galáxias – repletas de gás e poeira cósmica. As reações químicas que acontecem constantemente dentro das estrelas formam estrondosa quantidade de energia liberada em forma de luz. E por isso então são corpos celestes / estrelas que possuem luz própria

imagem de uma supernova

A distância entre nós 

Muitos aqui já sabem que não medimos a distância entre a Terra, os planetas e as estrelas em metros ou quilômetros e sim em anos-luz, que é a distância medida pela velocidade da luz ou seja: tempo. Um ano-luz corresponde a um ano terrestre e corresponde ao tempo em que a luz demorou para sintetizar esse ser para nós. Em um cálculo aproximado, um ano-luz corresponde a 9,5 TRILHÕES de km.

O Sol está à 0,0000158 ano/luz da Terra, e por isso demora cerca de 8,33 minutos para que sua luz chegue até nós. Parece pouco, mas se você multiplicar por 9,5 trilhões de km, verá que a nossa distância é de quase 150 milhões de km. Um Uber para o Sol? Só se estiver com muito tempo e um cartão literalmente sem limites. Rsrs 

A estrela mais distante já fotografada é a Ícaro, que está a 9 bilhões de anos-luz da Terra. Ou seja: a luz dela demorou 9 bilhões de anos para chegar até nós e tornar possível vê-la. Isso só foi possível ser registrado porque houve um acúmulo massivo de estrelas que formaram como se fosse uma lupa celestial – e o telescópio Hubble conseguiu registrá-la. Agora já pensou 9 bilhões de anos-luz em km? 

Também foi uma conquista conseguir tirar uma boa foto de uma estrela chamada Antares, que se encontra a 620 anos-luz de nós. Até então essa façanha só tinha sido alcançada com o Sol (lembre-se, a 0,0000158 ano-luz da Terra...olha a diferença!). 

A distância entre elas 

imagem de estrelas no universo

Olhando para o céu em uma noite iluminada vemos aqueles pontinhos luminosos e pensamos: “olha que alinhados, um do lado do outro!”. Pensamos isso porque nosso cérebro tende a agrupar elementos de forma lógica e linear de acordo com o que conhecemos. Assim, se vemos pessoas umas atrás das outras nosso conhecimento pré-adquirido automaticamente entende que aquilo é uma fila – e essa “lógica” tendemos a replicar para as demais coisas.

Mas a verdade é que algumas estrelas estão muito distantes uma das outras, a vários anos-luz e a posição da Terra em relação a elas que faz com que tenhamos essa impressão. 

Mais de 80% das estrelas tem uma companheira ou mais e giram em torno uma das outras, mas não é algo fácil de distinguir porque normalmente estão muito distantes de nós.

A estrela mais brilhante do nosso céu, facilmente identificável é a Sirius. Parece ser somente uma estrela, mas ela é composta pela Sirius A, uma estrela menor que é a Sirius B e recentemente descoberta a Sirius C (mas misteriosamente já sabido há tempos por uma tribo africana isolada, os Dogons), tornando o sistema delas triplo. 

As constelações e os hemisférios

O agrupamento de estrelas foi feito por diversos povos ao longo da História como forma de se guiar dentro de um espaço de tempo - inclusive falamos sobre isso aqui.

Atualmente são 88 as constelações consideradas e divididas em austrais (vistas somente do hemisfério sul (como a Cruzeiro do Sul), boreais (Ursa Maior e Ursa Menor), equatoriais que são próximas ao Equador Celeste (Órion) e as zodiacais (próximas tanto do norte quanto do sul).

Essa última gerou 12 constelações definidas ao longo dos 12 meses do ano e a astrologia acredita fortemente que os astros de cada uma delas influencia a personalidade daqueles que nasceram sob neste período do ano em que se tornam mais visíveis – daí os signos do zodíaco.

Vale ressaltar então que devido ao movimento da Terra ora é possível notar uma constelação na Terra, ora não. Mas como falamos acima, só dão impressão de estarem bem juntas, pois estão às vezes a dezenas de anos-luz de distância uma das outras.

Outras curiosidades sobre as estrelas!

- As estrelas NÃO PISCAM! O tremor que vemos das estrelas acontece simplesmente por causa da atmosfera da Terra, que por ter várias camadas acaba por embaralhar os astros. 

- (quase) Mais do que os olhos podem ver: conseguimos enxergar, desde que do hemisfério norte e em perfeitas condições de observação, a Danebestrela da constelação Cisne a 2.616 anos-luz e a galáxia Andrômeda, a 2,54 milhões de anos-luz de nós. De novo: pensou em km? Eeeee olho bom!

- Só uma parcela de estrelas: no céu existem milhões e milhões de estrelas, mas por mais “afiado” que seja o olho humano só é possível enxergar entre 2 mil e 2,5 mil delas – de novo, dependendo da região que estiver e das condições climáticas e de luminosidade. Se você estiver na cidade de São Paulo então e conseguir enxergar 100, aí pode se considerar mestre! Rsrs 

- Se trocássemos Sirius pelo Sol: Sirius A tem o raio 71% maior que nosso Sol e Sirius B tem o raio menor, que a torna um pouco menor que a Terra. Caso estivessem ocupando o lugar do Sol, nossos dias seriam 23 vezes mais brilhantes – mas para isso precisaríamos estar bem mais distantes delas do que estamos em relação ao Sol para sobreviver.

- Bandeira do Brasil: o significado das estrelas da nossa bandeira é que ali aparecem 9 constelações (em destaque: Cruzeiro do Sul, Escorpião, Triângulo Austral, Cão Maior e Cão Menor) e 27 estrelas representam os estados brasileiros. Sua disposição representa o céu do Rio de Janeiro, no dia Proclamação da República, em 15 de novembro de 1889.

ilustração da bandeira do brasil

- Brilha e esquenta estrelinha: as estrelas são classificadas de acordo com sua massa / tamanho e pela temperatura de sua superfície. Bem tranquilo para um dia de verão, as temperaturas variam entre 2.500°C e 50.000°C. Da próxima vez que reclamar da temperatura do Sol, lembre-se que ela está em apenas 6.000°C. 

- A “luz do luar” não existe – quando falamos “a luz da Lua” isso na verdade é mentira (nos desculpem, canções românticas!). A Lua, assim como os planetas, não emite luz. O brilho da Lua é um reflexo proveniente do Sol, por isso das suas fases – enquanto ela gira ao redor da Terra, algumas de suas partes são iluminadas por ele e outras não, o que reflete no nosso planeta.

- Sem noção até para além da Terra: a humanidade com seus inúmeros satélites astronômicos fez com que em 2015 era estimado que mais de 400 mil artefatos transitassem a uma velocidade que pode chegar a 30 mil km/h. Além de perigoso, estima-se que em breve se o lixo espacial (pois é, até lá) não for contido será impossível usá-lo em prol da humanidade, como vemos aqui

Ufa, quanta coisa! Também se inspira com as estrelas e todo esse mundo infinito e complexo que elas trazem consigo, muito além de uma paisagem maravilhosa e inspiradora? Os quadros e pôsteres do Mapa do Meu Céu resgatam exatamente o que muitos povos e cientistas viram ao longo dos anos: mais do que os olhos podem ver. Se está procurando um presente para namorado ou presente para marido, temos certeza que o Mapa do Meu Céu vai trazer à tona um momento especial vivido e presenciado por todas as estrelas, brilhando algumas há milhares de anos para iluminar nossas vidas. 😉 Confira aqui.